Barry

Barry

Barry

De Barry a Barack. Por quantas transformações o ex-presidente dos Estados Unidos, Barrack Obama passou para se tornar o homem que encantou o mundo? Barry, produção da Netflix, tenta explicar um pouco sobre esse processo, retratando sua juventude.

A história começa em 1981, com o jovem Barry voando de Los Angeles para Nova York, para onde se transferiu. Lá ele se vê como um dos poucos estudantes negros na Universidade de Columbia. Enquanto namora uma jovem rica e vive algumas típicas idas e vindas de um estudante, ele tenta encontrar seu lugar no mundo em meio a situações preconceituosas.

No filme, Barry está tentando se encontrar como pessoa e procurando seu caminho no meio de uma série de conflitos internos. E tudo se torna pior, pois ele começa a namorar Charlotte (Anya Taylor Joy – A Bruxa), uma menina branca de família rica. Madura, ciente de suas escolhas, a personagem é muito bem construída e um dos destaques do filme. Além disso a atriz é ótima e possui um olhar bem expressivo.

Mesmo com excesso de informações repetitivas (como por exemplo, sobre o pai de Barry, sobre sua origem e sobre o fato dele estar se sentindo deslocado) e algumas conversas desnecessárias, Barry consegue contar um pouco sobre a juventude de um dos maiores líderes mundiais, de uma forma que envolve o telespectador e não fica cansativo.

O protagonista é interpretado pelo estreante e bastante seguro Devon Terrell (Por vário momento até achei que estava vendo o ex-presidente na tela), e a direção, assinada por Vikram Gandhi, também pouco experiente, mas que realiza um bom trabalho. Completam o elenco Ashley Judd (Risco duplo) e Ellar Coltrane (Boyhood: Da infância à juventude).

 

Sobre o Autor:

Renata Araujo
Renata Araujo 298 resenhas

É jornalista por formação, nerd por paixão e cresceu rodeada de livros sendo até proibida de comprar mais por não ter aonde botar. Era figura conhecida na locadora mais próxima, aonde nem precisava se identificar, hoje em dia usa o quarto do namorado como depósito de livros. Adora livros de fantasia, sendo um PotterManiaca, mas não dispensa nenhum gênero. Para filmes prefere os clássicos dos anos 80 e compara qualquer filme com Dirty Dance - Ritmo Quente e O Guarda Costa.

Você pode gostar também

Loucas pra Casar

Loucas pra Casar é mais um clichê romântico do nosso cinema, porém, muito educativo para os homens e que retrata bem as mulheres do nosso século. Malu interpretada maravilhosamente por

O Juíz

Hank Palmer (Robert Downey Jr.) é um advogado de muito sucesso e está prestes a defender mais um de seus clientes, quando recebe uma ligação informando sobre o falecimento de

O Chefe

Carl Casper (Jon Favreau) é chef de um restaurante super conhecido em Los Angeles, porém as vezes enfrenta problemas com o dono Riva (Duston Hoffman). Por um lado Carl quer