Inferno
outubro 27, 2016 403 Visualizações

Inferno

Abandon all hope, ye who enter here

Tom Hanks está de volta no papel de Robert Langdon em Inferno, terceiro filme e quarto livro do acadêmico mais nerd com o relógio mais legal. Em sua nova trama, Robert Langdon deve impedir que um vírus com capacidade de eliminar quase que metade da população mundial seja liberado, e para isso, deverá atravessar a Itália atras de pistas relacionadas ao poeta Dante Alighieri, autor da famosa Divina Comédia.

Florença, onde a maior parte do filme se passa.

Florença, onde a maior parte do filme se passa.

Para já tirar do caminho: eu gostei bastante do filme. E conforme fui vendo e gostando, fui sentindo um incomodo. Explicando, faz muito tempo que eu li o livro de Dan Brown e o diretor das adaptações, Ron Howard, é conhecido por mudar drasticamente elementos chaves da história. Anjos & Demônios, por exemplo, é um mero retalho do livro original.

Mas como faz muito tempo que li Inferno, não tive exatamente o que comparar conforme fui assistindo e julguei o filme apenas pelas quase 2h de exibição. E é sólido. Como filme, melhor que seus predecessores. Como história, o plot twist no final é bem alterado dos livros (essa eu tive que conferir), mas a mudança para quem não leu passa imperceptível.

As atuações são ótimas. Tom Hanks continua o perfeito Langdon. E Felicity Jones – um dos motivos de eu ter ido assistir o filme foi justamente analisa-la, afinal ela é uma protagonista de Star Wars agora – tem uma atuação sólida, ainda que discreta. O resto do cast faz sua parte, deixando Inferno com a melhor sincronia de personagens dentre os filmes da série.

A única coisa que me deixou sinceramente incomodado durante o filme são as supostas capacidades e poder humano empregado pela Organização Mundial de Saúde. Sério, não eram para ser todos médicos?!

Ron Howard apresenta em Inferno a melhor adaptação dos livros de Dan Brown. Gostaria muito que esse nível tivesse sido atingido em Anjos & Demônios, mas assim como Robert Langdon e Elizabeth, nem tudo é como queremos.

SPOILER ALERT

Para quem ficou curioso sobre o plot twist, nos livros, o vírus já foi liberado e invés de ser uma praga que vai matar metade da população, ele esteriliza 1/3 dela. Ao eliminar esse final, o filme ficou mais leve, uma vez que após percorrer esse longo caminho e descobrir que ele foi inutil fazia de Inferno uma das obras mais sombrias de Dan Brown até hoje.

Sobre o Autor:

Matheus Dias
Matheus Dias 20 resenhas

É estudante de Relações Internacionais e PhD em dar palpite sobre a terra da rainha. Se Harry Potter fez dele um leitor, Star Wars o batizou como nerd. Estrangeiro às praias do Rio de Janeiro, pode ser constantemente encontrado no Pub Irlandês mais proximo de casa.

Você pode gostar também

Filmes

Tomorrowland – Um Lugar Onde Nada é Impossível

Casey Newton (Britt Robertson) é uma adolescente com enorme curiosidade pela ciência e super inteligente, mas usa suas habilidades de uma forma não muito convencional. Um dia, ela encontra um

Filmes

Ex Machina

Como você pode provar que algo têm uma consciência e pior ainda, como saber que você mesmo possui uma e não é fruto de uma programação? Esse é o cenário

Filmes

A Escolha Perfeita 2

Após o sucesso, as Barden Bellas ganham a oportunidade de se apresentar para o presidente dos Estados Unidos. Só que o show é um grande fiasco, o que as transforma