Loucas pra Casar

Loucas pra Casar

547765.jpg-r_640_600-b_1_D6D6D6-f_jpg-q_x-xxyxxLoucas pra Casar é mais um clichê romântico do nosso cinema, porém, muito educativo para os homens e que retrata bem as mulheres do nosso século. Malu interpretada maravilhosamente por Ingrid Guimarães é uma mulher linda, bem sucedida e que mantém um relacionamento de três anos com o seu chefe Samuel (Marcio Garcia). O enredo gira em torno do tão esperado pedido de casamento que encontra pelo caminho duas pedras: Maria e Lúcia (Tatá Werneck e Suzana Pires, respectivamente).

Até parece que o filme foi baseado em fatos reais devido aos diálogos previsíveis e aos estereótipos dos personagens. Isso fica bem claro pra quem tem um pouquinho mais de atenção, por exemplo, Maria uma das amantes de Samuel é uma mulher religiosa, dona de casa, zelosa com seu marido e a neta que toda avó queria ter. O personagem de Edmilson Filho, Rubi uma bicha histérica, e o de Fabiana Karla, Dolores uma sapatão broncuda, também são bons exemplos.

[accordion title=”Spoiler” id=”id-here”]Falando em coisa previsível, os nomes designados para os papéis principais de “Loucas pra Casar” são sugestivos para o entendimento da abordagem central do filme. Maria, Lúcia e Malu são no fim a mesma pessoa: uma mulher não muito diferente de nós, controladora, insegura,  louca pra casar e que começa se perder dentro de suas fantasias.  Sabe aquela paranoia que quase toda mulher tem quando chega certa idade e todas as suas amigas já se casaram? Quando somados, lá se foram 10 casamentos pegando buquês e nada acontece? Pois é, foi isso que o roteirista Marcelo Saback quis abordar nas telonas, mas com um toque especial de Ingrid.[/accordion]mulheresaoataque_4

A obra brasileira é bem parecida com “Mulheres ao Ataque”, lançada ano passado nos EUA. Este, apesar de um desfecho diferente, também é uma comédia romântica apoiada nos mesmos pilares base de Loucas pra Casar: casamento, traição e a insegurança  feminina. Um homem comprometido, que se envolve e iludi outras duas mulheres. Cameron Diaz é uma das estrelinhas desse filme, tão divertido despretensioso como o de Ingrid Guimarães.

Em uma visão geral, o longa não é uma superprodução pra causar no cinema brasileiro, mas sim, uma comédia que aborda muito bem a questão da necessidade do casório e a insegurança de algumas mulheres. O elenco surpreende, afinal, os atores são famosos por suas ótimas atuações e defendem bem seus personagens. Os diálogos, apesar de batidos, possuem um quê de improviso e te arrancam boas risadas. O desfecho é bonito e você sai da sala de projeção satisfeito. Bom pra assistir com o namorado, recomendo!

 

Trailer:

https://www.youtube.com/watch?v=zLE0xOr6urU

Sobre o Autor:

Marta Leticia Brito
Marta Leticia Brito 5 resenhas

Futura jornalista, impetuosa, sempre tenta conseguir o que quer, usando diversos meios possíveis. Um tanto quanto emotiva, apela para o lado sentimental das coisas. Tem uma tendência a exagerar quando é contrariada. Leitora constante de romances (baratos ou não) é figurinha carimbada nas salas de cinema, pelo menos uma vez por semana. Geralmente, se envolve tanto nas histórias, que até parece vivê-las

Você pode gostar também

Filmes

Divertidamente

Riley é uma garota de 11 anos de idade que está sempre animada e pra cima! Porém as coisas mudam quando ela enfrenta transformações importantes em sua vida: Seus pais

Filmes

Laranja Mecânica

Esse é um dos grandes clássicos da história do cinema. Ele foi lançado em 1971, inspirado em um romance do escritor inglês Anthony Burguess e dirigido pelo famoso diretor Santely

Tim Maia

Tim Maia narra a história de um dos artistas mais polêmicos e mais incríveis do Brasil. O filme conta como foi a vida desse grande musico, começando pela sua infância pobre,

0 Comentários

Nenhum Comentário Ainda!

Você pode ser o primeiro a comentar esta publicação!

Responder

Apenas usuários registrados podem comentar.